Ultrassonografia

Ultrassonografia: o que é e quando deve ser feita?

A ultrassonografia é bastante recomendada para prevenção, check up anual, por exemplo, em uma situação em que haja algum sintoma que precisa ser melhor avaliado ou em caso de alguma suspeita de doença.

Por ser prática e simples, é facilmente realizada, desde que você siga as recomendações médicas.

Cada tipo de exame requer uma preparação. Geralmente, a clínica já disponibiliza as informações e orientações necessárias para a pessoa realizar a ultrassonografia sem problema.

Como ela não é invasiva, basta estar atento ao que cada ultrassonografia exige para ser realizada com sucesso.

É importante salientar que algumas não precisam de preparo, como a transvaginal, articulações, tireoide e obstétrico.

Convênios aceitos pela clínica

Como se faz a ultrassonografia?

O exame de ultrassonografia não causa nenhuma dor ou desconforto ao paciente. O exame consiste em deslizar sobre a pele um aparelho pequeno chamado de transdutor, que emite ondas sonoras de alta frequência, que não afetam o corpo humano, mas são captadas em forma de eco. O tempo de retorno dos ecos muda de acordo com o órgão e a estrutura de tecidos de cada parte do corpo humano.

As imagens são traduzidas em tons de cinza, branco e preto, formando a imagem que é captada pelo computador. Para fazer o exame, é passado, sobre a pele do usuário, um gel, para fazer com que o transdutor deslize melhor e consiga emitir de forma mais fácil as ondas sonoras e captá-las de volta.

Quais os tipos de ultrassonografia?

Para realizar esse exame é preciso fazer um jejum de pelo menos 6 horas e estar com a bexiga cheia. É um exame utilizado para fazer uma avaliação de órgãos, como o fígado, a vesícula biliar, os rins, o pâncreas, a bexiga, os grandes vasos e até o trato gastrointestinal;

Mais frequente em mulheres. É usada para avaliar o estado do útero, das trompas e ovários, além de conseguir analisar possíveis dores pélvicas, sangramentos anormais e infecções. Em homens, esse exame avalia a próstata, a bexiga e as vesículas seminais.

É usada para fazer o diagnóstico e acompanhamento de lesões nas mamas e também serve para a realização de biópsias com agulhas.

Esse exame conta com Doppler colorido e fornece imagens sobre a tireoide e seu fluxo sanguíneo.

Esse tipo de ultrassom serve para avaliar as estruturas articulares e da musculatura do corpo humano, como sinovites e artrites.

Avalia o fluxo nos vasos sanguíneos e também se há ou não uma vascularização em um tumor ou nódulo.

Esse tipo de ultrassom permite a melhor visualização da estrutura que será analisada pelo médico.

É muito usada para o acompanhamento pré-natal, onde o médico consegue avaliar o desenvolvimento e a saúde do feto. Esse tipo de ultrassom é realizado entre a vigésima e a vigésima quarta semana de gestação.

É frequentemente usada para guiar agulhas de biópsias para que os médicos atinjam os alvos pretendidos.

Na ultrassonografia intravaginal, o exame é realizado com a mulher deitada. O médico insere o transdutor na vagina da paciente e, assim, capta as informações das estruturas genitais superiores do órgão.

Esse tipo de ultrassom tem o objetivo de avaliar possíveis doenças em órgãos internos do aparelho genital feminino, como a vagina, o útero, as tubas uterinas, os ovários e os ligamentos. Também serve para identificar doenças em órgãos da região, como a uretra, a bexiga, os intestinos e a cavidade pélvica.

Esse exame avalia doenças no reto, no ânus e no diafragma pélvico no sistema digestório e doenças nos órgãos internos da região genital masculina. De forma alternativa, também pode avaliar as condições dos órgãos internos do aparelho genital feminino.

Esse tipo de ultrassom avalia as doenças do cérebro e órgãos anexos de bebês recém-nascidos durante todo o primeiro ano de vida, quando as fontanelas estão abertas.

Avalia as articulações, músculos, tendões e partes moles do sistema locomotor. É muito utilizada por ortopedistas na medicina esportiva e na reumatologia, para diagnosticar doenças que limitam a locomoção do paciente.

Tem por objetivo avaliar e diagnosticar doenças no sistema urinário, tanto em mulheres quanto em homens, analisando o funcionamento dos rins, das vias urinárias e dos tecidos e órgãos adjacentes.

Como funciona esse exame?

A ultrassonografia é um método que não é prejudicial à saúde e nem invasivo, além de ser barato para produzir imagens em tempo real de movimentos das estruturas e órgãos internos do corpo humano.

Por ser um exame simples de ser realizado, costuma ser usado para fins preventivos, para fazer diagnósticos ou o acompanhamento de tratamentos. Por meio do chamado efeito Doppler, nome dado em homenagem a seu criador, a ultrassonografia permite detectar o sentido e a velocidade da corrente sanguínea em certa parte do corpo.

É o método ideal para examinar mulheres grávidas durante o pré-natal, e é o exame que permite reconhecer o sexo do bebê antes de seu nascimento, além de poder identificar possíveis alterações morfológicas ou funcionais no feto, e realizar potenciais intervenções intrauterinas após o nascimento.

Entre outras vantagens da ultrassonografia é se tratar de um método nada invasivo, que consegue produzir imagens dinâmicas até em 3D, sem usar radiação. Com os avanços tecnológicos nos últimos tempos, hoje em dia é possível analisar o cérebro e as articulações de recém-nascidos por meio de uma ultrassonografia.

A vantagem da ultrassonagrafia na hora de fazer um check up é a de uma análise maior em cima de daquele sintoma.

Como se preparar para o exame?

  • Como ela não é invasiva, basta estar atento ao que cada ultrassonografia exige para ser realizada com sucesso;
  • É importante salientar que algumas não precisam de preparo, como a transvaginal, articulações, tireoide e obstétrico.

Contraindicações do exame

Não há contraindicações. Qualquer pessoa pode fazer esse exame. O exame exige, em alguns casos, uma preparação simples, como um jejum de 6 ou 8 horas ou estar com a bexiga cheia para realizar certos ultrassons.

O exame também não é invasivo e não causa nenhum tipo de dor ao paciente. Não é usada radiação, e é de fácil realização.

Apesar de não haver contraindicações é importante salientar que esse exame não permite uma visualização considerável de cavidades ou órgãos que contenham gases. A visualização das estruturas em pacientes obesos também é mais limitada. No caso de exame de ossos, só é possível visualizar a parte externa deles.

TOP